Conheça 30 frases do livro A Sutil Arte de Ligar o F*da-Se

"As maiores verdades da vida são as mais desagradáveis de se ouvir."

A Sutil Arte de Ligar o F*da-Se é um best seller de autoria de Mark Manson, e busca ajudar o leitor a aprender a lidar melhor com seus erros e fracassos. Diversos trechos e frases do livro A Sutil Arte de Ligar o F*da-Se abordam temas como o sofrimento, negatividade, desafios, entre várias outras coisas, e todos eles provocam alguma reflexão.

Confira algumas das melhores abordagens e se inspire!

Banner de Compra - A Sutil Arte de Ligar o F*da-Se




Trechos e frases do livro A Sutil Arte de Ligar o F*da-Se

Frase do Livro A Sutil Arte de Ligar o F*da-Se

Veja abaixo algumas das melhores frases curtas e longas do livro A Sutil Arte de Ligar o F*da-Se e reflita sobre os pensamentos que os autor aborda na obra.

  1. O segredo para uma vida melhor não é precisar de mais coisas; é se importar com menos, e apenas com o que é verdadeiro, imediato e importante.
  2. Os erros que você comete no trabalho permitem que você compreenda melhor o que é preciso para ser bem-sucedido. Paradoxalmente, lidar abertamente com suas inseguranças torna você mais confiante e carismático. O incômodo de um confronto honesto é o que gera maior confiança e respeito. Enfrentar seus medos e suas ansiedades é o que vai fazer você criar coragem e perseverança.
  3. Tudo que vale a pena na vida só é obtido ao superar o sentimento negativo associado a ele.
  4. O esforço para evitar o sofrimento é dar atenção demais a ele. Em contrapartida, se você conseguir ligar o foda-se, torna-se imbatível.
  5. Toda tentativa de escapar do negativo, de evitá-lo, suprimi-lo ou silenciá-lo sai pela culatra. Evitar o sofrimento é uma forma de sofrimento. Evitar dificuldades é uma dificuldade. Negar o fracasso é fracassar. Esconder o que é vergonhoso é, em si, causa de vergonha.
  6. O sofrimento é um fio inextricável que compõe o tecido da vida, e arrancá-lo não só é impossível como também é destrutivo: tentar desmantela todo o resto.
  7. As maiores verdades da vida são as mais desagradáveis de se ouvir.
  8. Ligar o foda-se é encarar os desafios mais assustadores e mais difíceis da vida e agir.
  9. No curto período entre o agora e o dia da sua morte, você só pode se importar com uma quantidade limitada de coisas.
  10. A ideia de que quanto mais tentamos nos sentir bem o tempo todo, mais insatisfeitos ficamos, pois a busca por alguma coisa só reforça o fato de que não a temos. Quanto mais você se desespera para ser rico, mais pobre e indigno se sente, seja qual for sua renda. Quanto mais você se desespera para ser bonito e desejado, mais feio se considera, seja qual for sua aparência. Quanto mais você se desespera para ser feliz e amado, mais sozinho e aflito fica, não importa com quem esteja. Quanto mais espiritualizado quer ser, mais egocêntrico e superficial se torna no processo.
  11. A felicidade não é uma equação que possa ser solucionada.
  12. A vida é basicamente uma série interminável de problemas.
  13. Pessoas indiferentes têm medo do mundo e da repercussão de suas escolhas. É por isso que não tomam decisões importantes. Escondem-se no apático poço cinzento de egocentrismo e autopiedade que criaram, distraindo-se eternamente dessa coisa insuportável chamada vida, que exige tanto tempo e energia.
  14. Não tem como ser importante e transformador para algumas pessoas sem ser uma piada e um constrangimento para outras.
  15. Enfrentar seus medos e suas ansiedades é o que vai fazer você criar coragem e perseverança.
  16. O problema das pessoas que se agarram a qualquer banalidade como se daquilo dependesse sua maldita vida é que elas não têm mais nada interessante com que se importar.
  17. Enxergar o que está diante do nariz exige um esforço constante.
  18. Não existe valor no sofrimento quando não há um propósito.
  19. A arrogância é uma estratégia falha. É apenas mais uma forma de euforia. Não é felicidade.
  20. Felicidade é um exercício constante, porque resolver problemas é um exercício constante — as soluções para os problemas de hoje serão a base dos problemas de amanhã, e assim por diante. A verdadeira felicidade só se dá quando você descobre quais problemas gosta de ter e de resolver.
  21. É admirável quem liga o f*da-se para os problemas, para as derrotas, para o risco de fazer papel de bobo ou de se dar mal algumas vezes. Quem ri do perigo e segue em frente.

Banner de Compra - F*deu Geral

  1. Os problemas nunca somem, eles só diminuem.
  2. Os problemas nunca acabam; eles apenas são substituídos e/ou atualizados. A felicidade está em resolver problemas.
  3. Para medir o verdadeiro valor de uma pessoa, o importante não é avaliar como ela vê as experiências positivas.
  4. Para ser feliz, é preciso ter algo para resolver. Assim, a felicidade é uma forma de ação; é uma atividade, não algo que você recebe de forma passiva, que descobre magicamente numa lista do Buzzfeed ou com algum guru. Ela não surge quando você finalmente ganha o suficiente para construir mais um cômodo na sua casa. Ela não está esperando por você em algum lugar, alguma ideia, algum emprego… nem num livro, aliás.
  5. Não é porque algo causa uma sensação boa que é bom. Não é porque algo causa uma sensação ruim que é ruim.
  6. Muita gente é ensinada a reprimir as emoções por diversas razões pessoais, sociais ou culturais, sobretudo as negativas. Só que, infelizmente, negar os sentimentos negativos é negar vários dos mecanismos de resposta que ajudam a resolver problemas.
  7. Aquele que nutre uma boa autoestima verdadeira enxerga com honestidade as partes negativas de si mesmo.
  8. Porque a felicidade exige esforço. Ela se origina dos problemas. A alegria não brota do chão como margaridas e arco-íris. Satisfação e propósito genuínos, sérios e duradouros devem ser conquistados pela escolha e pela maneira como conduzimos nossas batalhas.
  9. Você é definido pelas batalhas que está disposto a lutar.

Depois de ler esta seleção com diversos trechos do livro A Sutil Arte de Ligar o F*da-Se, não deixe de conferir também algumas frases do livro O Segredo, que foi escrito por Rhonda Byrne e publicado pela primeira vez em 2006.